Leia os detalhes como foi o primeiro dia da nova vereadora empossada na Câmara de Linhares

Tomou posse nesta segunda-feira, dia 12, na Câmara Municipal de Linhares, a suplente Pâmela Gonçalves Maia (PSDC). Ela assumiu a vaga da vereadora Rosinha Guerreira (PSDC), afastada das funções após ser acusada e admitir a prática de rachid – quando o político em exercício exige parte do pagamento de servidores para si – com seu assessores.

Diferente do que o presidente da Casa, Ricardo Bonomo (SD), informou sobre a substituição do vereador titular pelo suplente – que seria apenas em caso de morte ou ao assumir uma pasta no Executivo Municipal – o Legislativo teve que cumprir a determinação do juiz de Direito, Thiago Albani Oliveira, publicada desde a última sexta-feira (9), no Diário Oficial do Estado.

A suplente, que havia entrado com um mandado de segurança, se comprometeu em priorizar projetos que contemplem a Educação e Infraestrutura Urbana. “Eu vou ser bem realista: sei que sou vereadora de Linhares inteira, mas eu dedico a minha bandeira ao meu setor porque lá, realmente, está tendo necessidades. Na Educação há muitos pais reclamando a falta de vagas, até mesmo faixas porque Linhares mesmo precisa de sinalização”, disse.

Apesar de se mostrar jovem e com pouca experiência, a vereadora suplente acredita que pode fazer um trabalho consistente e que dê visibilidade ao seu mandato. “Sei que sou nova, às vezes os outros falam que eu não tenho experiência. Realmente, a experiência a gente adquire com o tempo, mas o que eu quero mesmo é adquirir e adquirir de forma correta e mostrar para a população que nem todos os políticos são iguais. Eu posso ser diferente”, destacou.

Indagada sobre ser suplente da, até então, única representante feminina na Câmara, e envolvida em um crime de improbidade, Pâmela Maia afirmou que fará o seu papel de legisladora e aguardará maiores esclarecimentos das investigações comandadas pelo Ministério Público Estadual.

“Na verdade, eu vou entrar e fazer o meu papel e assim, espero que se esclareça tudo para a população saber realmente o que aconteceu porque, até então, nem nós não temos certeza de nada. Sou suplente e sei que posso ficar um dia, dois dias, três dias. Então, eu vou esperar a resposta, mas eu quero entrar e mostrar a força da mulher aqui dentro e mostrar também aos jovens que eles podem estar aqui, podem também mostrar o trabalho deles”, destacou.

Conforme a vereadora, os seus assessores ainda não foram contratados e nomes estão sendo analisados para que pessoas desqualificadas não estejam ao seu redor. “Para ser bem realista, vou analisar bastante porque a gente não pode colocar qualquer pessoa”, apontou.

 

Perfil

Pâmela Gonçalves Maia tem 24 anos, ė moradora do bairro São José, estudante de Engenharia Civil, e empresária do setor de loja de móveis. Passou a ter afinidade com a política graças ao seu pai, Valtair Maia, que há muitos anos atua em campanhas políticas municipais. Ela obteve 829 votos na eleição passada.