Casagrande lança oficialmente sua pré-candidatura ao cargo de governador do Estado

O ex-governador Renato Casagrande (PSB) anunciou oficialmente, na tarde desta segunda-feira (26), a sua pré-candidatura ao cargo de governador do Estado. O anúncio foi feito por meio de uma coletiva de imprensa realizada em seu escritório, na Praia do Canto. Casagrande falou de suas caminhadas pelo Espírito Santo, os pilares que irão nortear seu governo (caso seja eleito) e fez duras críticas ao atual gestor, principalmente no que chamou de "arrogância" e "falta de diálogo" para tratar de assuntos delicados, referindo-se ao movimento de greve da Polícia Militar em fevereiro do ano passado. Confira a seguir a transcrição em detalhes da entrevista realizada.


"Depois que terminei meu mandato de governador, em 2014, eu fiquei praticamente dois anos praticamente sem fazer movimento político. Me afastei, achei que deveria me manter longe da militância política para deixar que Estado tomasse suas decisões.

Em abril de 2017 eu retomei minhas caminhadas pelos municípios, conversei com muita gente do interior e da Grande Vitória. Dialoguei com lideranças e agora estamos chegando a um ano que comecei minha caminhada, discutindo propostas e conversando os cidadãos. E eu tenho uma missão a contribuir, uma tarefe para cumprir com o Estado, um compromisso com a população para retomar o desenvolvimento do Espírito Santo.

Nos últimos anos, o nosso Estado ficou parado. Quero criar um movimento para  que ele volte a crescer e reabrir o diálogo que foi esquecido. Quero voltar com as parcerias junto aos municípios, junto às Câmaras, junto aos partidos políticos e  também junto às entidades empresariais, pois ninguém consegue nada sozinho.

Temos que retomar uma visão de justiça da administração pública, tratando com muita responsabilidade os serviços prestados à sociedade. O papel da política é criar qualidade de vida e justiça política para o cidadão.

E nesse compromisso de criar um movimento novo na política e na administração do Estado, e atendendo a quem precisa de um posicionamento, a partir de agora me coloco como pré-candidato a governador do Espírito Santo. Tomo esta decisão após várias conversas, reuniões e reflexões. Ao mesmo tempo, peço ao meu ao meu partido que possa construir uma aliança para sustentar essa candidatura e meu caminho ao governo.

Durante as conversas realizadas, participei de discussões com algumas bases, formei  um núcleo que irá se apresentar como campanha, uma base que norteará as propostas com a sociedade. Mas já deu para a gente alinhavar esses compromissos mais sólidos, mais substantivos, que serão preenchidos, e que eu considero os pilares a serrem seguidos. São eles:

Ética e  transparência: Temos que levar isso a sério, não suportamos mais desvio e má aplicação do dinheiro público. A ética, por si só, pode ser um compromisso, mas quem garante que ela será aplicada é a transparência. É por isso que ao fechar meu governo, em 2014, deixamos o Estado como o mais transparente do brasil. Transparência leva à ética. Este é um dos primeiros pilares de uma proposta que começa a ser apresentada.

Democracia: Temos que usar todas as tecnologias para conversar de igual para igual com a sociedade. Hoje temos várias redes sociais, todo mundo tem um quinhão a ser dado, e precisamos ter um compromisso com a democracia. De um lado, ter a democracia tradicional, no olho no olho, mas por outro também precisamos usar bem as tecnologias. Ser democrático para todos e não ser democrático com apenas meia dúzia de amigos. Temos que sepultar a arrogância.  A ausência de diálogo do atual governo, de forma arrogante e prepotente, foi o que manteve uma manifestação da Polícia Militar em fevereiro do ano passado e que quem sofreu com isso tudo foi a sociedade capixaba.

Responsabilidade –  Precisamos ter responsabilidade fiscal, gerenciar bem o dinheiro público. Deixamos o governo, em 2014, com R$ 2 bilhões em caixa e atendendo a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não tivemos uma denúncia de corrupção. Nossas contas foram aprovadas sem qualquer ressalva. Gestão fiscal tem que ser bem feita para atender bem ao povo. Na assistência social e na saúde que está precária. Temos que resgatar o programa Estado Presente, comandar um trabalho na área de segurança pública. Precisamos investir em educação, e não fechar escolas como aconteceu. Precisamos de qualidade na área de educação.

Desenvolvimento: Precisamos captar recursos, regionalizar os serviços nas áreas de saúde, segurança, e promover o desenvolvimento regional nas dez microrregiões do Espírito Santo.

Sustentabilidade: Não dá para ter sucesso e empreendimentos sem respeitar os recursos naturais. Temos que crescer com respeito ao meio ambiente.

Visão de Futuro: Perdemos muito tempo preocupados com o passado, de lideranças querendo destruir lideranças que tinham terminados uma gestão. Isso tirou dos capixabas serviços, tirou obras, vamos apontar adiante, apontar para o futuro. Qualquer movimento nosso será sempre apontado para o futuro. Vamos corrigir os erros do presente e aperfeiçoar para o futuro.

Teremos uma gestão moderna e inovadora. Será um governo que começa no dia 1 de janeiro de 2019 e irá até o dia 31 de dezembro de 2022. Não podemos ser uma gestão que poupa tudo para só resolver os problemas no  último ano como se fosse uma varinha de condão. Temos que ter um compromisso constantes com a sociedade, e não apenas a visão de salvador da pátria, que aparece no último ano de governo. Além disso, não é possível mais aceitar obras paralisadas. Precisamos terminar as obras iniciadas, sem perseguições.

É isso que estamos fazendo minha pré-candidatura. Estamos dialogando com partidos e lideranças, com mandato ou sem mandado, sendo pré-candidato ou não, mas apostando num modelo novo de gestão no estado.