Ação de vândalos paralisa obras do CTT em Linhares

Durante quatro anos em total abandono, as obras do Centro de Tratamento de Toxicômanos (CTT), localizado no bairro Planalto, foram retomadas no ano passado, mas, precisaram ser paralisadas. O motivo: as ações de vandalismo e depredação sofridas durante o tempo em que ficou abandonada e também após o seu reinício. Diante destas ações, a secretaria municipal de Obras e Serviços Urbanos solicitou ao governo estadual o replanilhamento do valor orçado, uma vez que as avarias causadas pelos vândalos foram de grandes dimensões e comprometeram a obra, que é uma parceria entre o Governo do Espírito Santo e a Prefeitura. 

A construção do CTT foi iniciada em 2011 também na gestão do prefeito Guerino Zanon, que entregou a gestão anterior, no final do ano de 2012 com 37,05% de estrutura concluída e investimentos aplicados de R$ 428,9 mil. O prazo então para a sua conclusão seria de 180 dias. Para terminar o CTT seriam investidos R$ 667.086,99 sendo que deste total, R$ 482.782,04 são de recursos próprios da Prefeitura e R$ 184.304,95 oriundos do governo estadual. Após o governo autorizar o aditivo solicitado, por meio do replanilhamento, o prazo para terminar a obra será de 180 dias. 

Quando for concluído, o centro vai atender diariamente cerca de 200 pessoas, entre adultos, jovens, adolescentes e crianças. A dinâmica de atendimento do espaço será de "portas abertas", ou seja, para ter acesso, os pacientes ou seus responsáveis poderão ligar direto para a unidade a fim de agendar avaliação por uma equipe interdisciplinar. A equipe em conjunto com o usuário, que definirá o perfil clínico e o projeto terapêutico necessário para cada pessoa atendida. 

A equipe interdisciplinar que irá atuar no centro quando for entregue, será composta por: psiquiatra, enfermeiro, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, farmacêutico e professor de educação física, além de educadores sociais. O espaço físico abrigará consultórios, leitos para desintoxicação, auditório, posto de enfermagem, recepção, acolhimento, área administrativa, farmácia, refeitório, salas para oficina e atendimento em grupo. O local terá ainda, espaço para atividades terapêuticas, lúdicas e de geração de renda.

 

Denúncias de Vandalismo 

Os moradores podem denunciar as ações de vandalismo por meio do telefone 190 da Polícia Militar; 153, da Guarda Civil Municipal ou o 3372 2120, da secretaria municipal de Obras e Serviços Urbanos.