Justiça impede que vereadora Rosinha retome à Câmara de Linhares

A Justiça impediu que a vereadora Rosinha Guerreira (PSDC), afastada da Câmara de Linhares reassumisse o cargo nesta quarta-feira (4). A parlamentar foi afastada do cargo por suspeita de "rachid" - quando o político exige parte do salário de um servidor público em troca da manutenção do cargo.

Rosinha foi presa no dia 26 de fevereiro durante a operação “Salário Amigo”. A vereadora foi levada ao presídio de Colatina e confessou o crime, dizendo que usava o dinheiro para comprar remédios e cestas básicas para eleitores. Os bens dela foram bloqueados. Atualmente ela já está em liberdade.

A decisão de que ela não voltaria para o cargo saiu na tarde desta terça-feira (3). Ela ficará afastada por mais 180 dias. Mesmo afastada do cargo, a vereadora continua recebendo salário como funcionária ativa. O salário dela é R$ 6.192,00. De acordo com o Portal da Transparência, a suplente de Rosinha, a vereadora Pâmela Maia, que é quem está efetivamente no cargo, também recebe a mesma remuneração.