Vândalos destroem lixeiras recém instaladas em Linhares

Quem caminha pelas ruas e avenidas de Linhares vai encontrar uma cena em comum: todas estão com papeleiras novas, praticamente uma a cada poste. Elas fazem parte de um lote de 200 lixeiras instaladas há pouco mais de 30 dias. Mas a ação de vândalos está destruindo o investimento que tem o objetivo de deixar a cidade mais limpa e organizada: somente neste fim de semana 12 equipamentos foram quebrados. Todos localizados no centro da cidade.  O investimento para a instalação das 200 papeleiras foi de R$ 15.980,00. Cada equipamento custa aos cofres públicos R$79,00.

As câmaras de videomonitoramento da Prefeitura registraram a ação de dois indivíduos aparentemente menores e apontados como os principais suspeitos, depredando os equipamentos. A secretaria municipal de Segurança Pública já encaminhou as imagens para a 16ª Delegacia Regional de Linhares solicitando abertura de um inquérito policial para apurar a ação dos suspeitos. A depredação de patrimônio é crime previsto em lei e passível de três meses a três anos de detenção.

"É lamentável ver que as lixeiras instaladas recentemente já estão sendo destruídas. Não imagino o que passa pela cabeça desses vândalos que destroem o patrimônio público, que é nosso. São investimentos realizados com os nossos impostos, o nosso dinheiro. Só quero que a justiça aja e que os autores recebam a devida punição", disse indignado o gerente de farmácia, Evandro César Pandolfi.

"Tais atitudes causam prejuízos aos cofres públicos, à população. É preciso entender que há um investimento da Prefeitura e quando bens públicos são destruídos são os moradores da cidade os mais prejudicados. Por isso, pedimos a colaboração da população. Em primeiro lugar, não depredando equipamentos públicos e, depois, denunciando, por meio dos telefone 190 da Polícia Militar e o 153, da Guarda Civil Municipal", pediu o secretário municipal de Segurança Coronel Jones Mattos.

Para o secretário municipal de Obras e Serviços Urbanos, João Cléber Bianchi, a comunidade ainda precisa se conscientizar de que o dinheiro gasto pelo município para reconstruir o que foi depredado é de todos.

"Quem não cuida da cidade certamente não enxerga o quanto ela mudou e está mais bonita. São pessoas que não têm consciência de que o bem público não é da prefeitura, é de cada morador", ressaltou o secretário.