Estudantes do ensino médio são premiados em olimpíada internacional de economia

Criar estrat√©gias para solucionar problemas financeiros, fazer um modelo de neg√≥cios, ampliar a √°rea de atua√ß√£o de uma empresa. As tarefas n√£o eram voltadas para administradores, mas para estudantes que participaram da Olimp√≠ada Internacional de Economia, no m√™s de julho, em S√£o Petesburgo, na R√ļssia. Mesmo sem ter essa disciplina no curr√≠culo, dois estudantes brasileiros do ensino m√©dio conseguiram trazer medalhas de ouro e bronze para o pa√≠s. Com outros cinco membros na competi√ß√£o, o time brasileiro recebeu o Trof√©u de Melhor Equipe do Mundo.

Guilhermo Costa, 17 anos, morador de S√£o Paulo, participou pela primeira vez da olimp√≠ada de economia neste ano, mas j√° tem experi√™ncia em outras provas semelhantes, nacionais e internacionais, como as olimp√≠adas de f√≠sica. Mesmo estreante, saiu com a medalha de ouro na prova.  Segundo ele, o diferencial do exame de economia foi a dificuldade dos conte√ļdos cobrados. ‚ÄúNa prova de economia voc√™ tem que avaliar se uma decis√£o de neg√≥cios faz sentido ou n√£o, fazer uma apresenta√ß√£o oral em rela√ß√£o a isso, para convencer os jurados que fazem parte de uma renomada consultoria internacional. Ent√£o √© uma prova menos conteudista, que me marcou‚ÄĚ, comenta.

‚ÄúEu pretendo participar novamente da olimp√≠ada, seguir uma carreira em ci√™ncia da computa√ß√£o porque combina a modelagem de matem√°tica com a f√≠sica, duas √°reas em que me interesso muito, com uma parte mais pr√°tica de como pegar modelo matem√°tico te√≥rico e transformar em uma simula√ß√£o que pode ser aplicada no mundo real‚ÄĚ, destaca Guilhermo.

Na prova, dividida em três fases, foram cobrados conceitos básicos de micro e macroeconomia, além de economia comportamental e finanças.

Medalhista de bronze, Rafael Akira, 17 anos, conta que j√° participou de competi√ß√Ķes semelhantes de inform√°tica, f√≠sica, biologia e ci√™ncias, tanto no Brasil quanto no exterior.

‚ÄúMe interesso muito pelas √°reas de engenharia aeroespacial e biom√©dica, tamb√©m sou fascinado pela parte de programa√ß√£o que envolve intelig√™ncia artificial e machine learning [√°rea que estuda meios para que m√°quinas possam fazer tarefas que seriam executadas por pessoas]‚ÄĚ, disse Rafael, destacando que espera repetir a experi√™ncia no pr√≥ximo ano.

Alunos do 3¬ļ ano do ensino m√©dio do Col√©gio Objetivo Integrado, na capital paulista, Guilhermo e Rafael receberam orienta√ß√Ķes de v√°rios professores, entre eles, Raphael Zimmermann. Para o professor, trazer o trof√©u de melhor equipe do mundo deve servir de inspira√ß√£o para o pa√≠s.

‚ÄúEsse pr√™mio veio muito a calhar porque o Brasil passa por um momento de restri√ß√£o econ√īmica e √© importante lembrar que temos muito potencial e falta colocar isso na mesa e fazer as coisas acontecerem.‚ÄĚ

Realizado de 24 a 31 de julho, o evento reuniu estudantes de 24 países. O resultado final da Olimpíada Internacional de Economia classificou, em primeiro lugar geral, o Brasil; em segundo e terceiro lugares, dois times da China. A organizadora da olimpíada foi a High School Economics (HSE).


ÔĽŅ
ÔĽŅ