Dores nas costas? Saiba como evitá-las com essa dica do especialista

Não é difícil encontrar no dia-a-dia alguém reclamando de dores na coluna. Muitas pessoas sofrem com quadro constante de desconforto de diversas intensidades, podendo chegar a níveis debilitantes que afetam a rotina diária e a qualidade de vida. A lombalgia - dor na região lombar - a região mais baixa da coluna, perto da bacia, foi em 2017, de acordo dados divulgados em 2018 pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a doença que mais afastou brasileiros do trabalho. Foram 83,8 mil casos ao todo.  

Levantamento feito pela Organização Mundial da Saúde, a OMS, apontam que dores lombares tem sido a maior causa de visita de pacientes aos médicos. A Lombalgia só perde para a dor de cabeça – mal que atinge mais de 80% da população.

A Lombalgia, segundo o médico neurocirurgião e cirurgião de coluna, Dr. Angelo Guarçoni, é um sintoma de algum problema e não uma doença.  “Na maioria das vezes, especialmente em pacientes jovens e de meia idade, a lombalgia, famosa dor nas costas, é um sintoma de uma contratura muscular ou distensão muscular, que normalmente estão ligadas a coisas muito próximas do nosso dia a dia, como postura inadequada ao desempenhar atividades corriqueiras, como pegar peso de mal jeito sem uma postura adequada da coluna. Somente uma pequena parte dos casos a lombalgia é sintoma de uma doença mais grave, especialmente em pacientes mais idosos, paciente que a dor piora a noite, pessoas com histórico de câncer em outra parte do corpo, ou usuários de drogas injetáveis”, explica o médico

O especialista diz ainda que só por meio de uma investigação feita pelo médico, em alguns caso com o uso de exames de imagens, é possível chegar a um diagnóstico preciso. “Só um diagnóstico médico consegue definir o que é essa dor. Se é uma lombalgia vinda de uma contratura muscular, má postura, ou se é referente a algum outro problema de saúde como pedra nos rins, infecções urinárias ou hérnia de disco”, enfatiza Dr. Angelo.

Guarçoni lembra que os principais fatores de risco para dor lombar crônica são a obesidade e o uso de cigarros e diz o que fazer para evitar o problema: “É preciso fazer atividade física regularmente para fortalecer a musculatura da coluna, especialmente quem faz esforço físico e precisa pegar peso. Também é preciso ficar atento a postura da coluna e nunca fazer força com a coluna curvada, isso aumenta a carga de peso sobre a coluna e causa dor”, concluí o médico.

 

Prevenção

Realizar atividades físicas regulares;

Alimentação equilibrada e saudável;

Evitar os quilinhos a mais;

Corrigir e manter-se alerta a postura;

 Não permanecer curvado por muito tempo;

Ao abaixar-se, dobrar somente os joelhos e não a coluna.