Flagrante

Decon e Procon-ES apreendem materiais clandestinos e vendidos por preços abusivos na Serra

Durante todo o período de pandemia, vamos realizar ações como essa visando a coibir o aumento abusivo de preços, a venda de produtos clandestinos , bem como à proteção do consumidor capixaba”, disse o delegado

15/05/2020 22h38
Por: Redação ES 24 HORAS

Uma nova operação conjunta entre a Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon) e o Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES) apreendeu botijas de gás, álcool em gel e frascos de azeite de oliva vendidos clandestinamente ou por preços abusivos. A ação ocorreu na última quarta-feira (13), em estabelecimentos comerciais da Serra.

No total foram apreendidos 79 botijas de gás dentro de uma revenda clandestina interditada, no bairro El Dourado; 34 frascos de álcool em gel com irregularidades, no interior de uma farmácia em Jacaraípe; além de 34 unidades de azeite de oliva com irregularidades na rotulagem e suspeita de se tratar de produto adulterado e impróprio ao consumo, em um supermercado do município.

De acordo com o titular da Decon, delegado Eduardo Passamani, outros estabelecimentos nos bairros José de Anchieta, Jacaraípe e Eurico Sales foram fiscalizados. “Recebemos as informações, via Disque-Denúncia 181, relacionadas ao aumento abusivo de preços. Três supermercados foram intimados a apresentar documentação em um prazo de 15 dias”, afirmou.

Passamani explicou que a operação faz parte das ações de fiscalização realizadas desde o início da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). “Durante todo o período de pandemia, a Decon realizará ações como essa visando a coibir o aumento abusivo de preços, a venda de produtos clandestinos , bem como à proteção do consumidor capixaba”, disse.

Segundo o diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, as ações realizadas em parceria têm apresentado resultados satisfatórios. “Foram mais de 400 botijas apreendidas, mais de 10 revendas infracionadas e uma interditada, na Grande Vitória, em 30 dias”, ressaltou Athayde.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.