Linhares

Vigilância Ambiental reforça orientações a população sobre controle de caramujos africanos

O caramujo é resistente ao frio e à seca e sai para se alimentar e reproduzir à noite, durante ou logo após o período chuvoso

06/08/2020 06h11
Por: Redação ES 24 HORAS

Com a incidência das chuvas nos últimos dias e o forte calor crescem, por parte da população, as preocupações em relação à dengue e ao caramujo africano, Achatina fúlica. O caramujo é resistente ao frio e à seca e sai para se alimentar e reproduzir à noite, durante ou logo após o período chuvoso.

De acordo com Sérgio Lubiana,  assessor técnico da Vigilância Ambiental da Prefeitura de Linhares, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Saúde, o trabalho no controle destes moluscos se baseia na orientação à população, seguindo os parâmetros de uma Norma Técnica do Ministério da Saúde, publicada em março de 2005, que consiste na coleta dos animais (caramujos) e incineração. 

Nela consta que experimentos em laboratório com o caramujo demonstraram que a espécie não é significativa para a saúde pública, por ter baixo potencial de transmissão de doenças.

Sérgio destaca que, os caramujos africanos colocam até 500 ovos por ano e têm uma vida média de 5 anos. “Entre as contribuições para a proliferação dos caramujos, estão a ausência de predadores naturais e a alta taxa reprodutiva que eles possuem”, explicou.

 

Prevenção

A fim de controlar a infestação de caramujos em Linhares, a  Unidade de Vigilância de Zoonoses de Linhares monitora as áreas de ocorrência do município, especialmente em períodos após as chuvas orientando a população o manejo correto.

Esse monitoramento é realizado principalmente pelo atendimento de demandas recebidas por meio do telefone do CCZ, 3371 4098.

O atendimento de demandas sobre infestação de caramujos envolve orientação à população, catação manual em áreas públicas infestadas para controlar grandes quantidades de caramujos.

 

Orientações quanto à catação manual do caramujo africano:

Realizar catação manual dos caramujos nos quintais de casas sempre com mãos protegidas por luvas ou sacolas plásticas;

Quebrar as cascas antes da incineração dentro de um balde, com um cabo de madeira de ponta quadrada, evitando que se tornem reservatórios de água para mosquitos e outros organismos;

Incinerá-los completamente com muito cuidado utilizando um copo de álcool e longe de crianças para se evitar acidentes. De preferência uma única pessoa deve executar o procedimento. Seqüência: utilizar uma lata perfurada com pequenos furos ao fundo cobertos por um pano, visto que os caramujos exudam grande quantidade de água quando incinerados, o que acaba por apagar o fogo;

Após a queima, dispor o resto no lixo comum;

Fazer busca diária no terreno para verificar se não há outros locais onde existam mais moluscos;

Manter a catação local diária e constante num primeiro momento, a qual deve se repetir daí em diante, semanalmente, visto que cada postura dos caramujos pode conter centenas de ovos, que eclodirão em períodos subsequentes e reinfestarão o ambiente local novamente, sempre que chover, estiver úmido ou nublado;

Não é recomendado o uso do sal para controle dos caramujos, conforme exposto acima.

Medidas simples podem colaborar na redução da população de animais sinantrópicos, tais como esses moluscos:

Manter o jardim, quintal e áreas verdes limpos e capinados, descartando resto de obra, entulho, pedras e acúmulo de material orgânico (capim, folhas, galhos, etc), pois são esconderijos ideais para os moluscos;

Não jogar os caramujos lançando-os em terrenos baldios, na rua ou diretamente no lixo, o que proporcionará um incremento na proliferação desta praga urbana em outros locais;

Não esmagar os caramujos no local o que promove exposição, apodrecimento de sua carne e acúmulo de moscas, baratas e roedores com conseqüente produção de odor.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.